sábado, 17 de janeiro de 2009

Mais de mim

Canto aos céus minhas mil maravilhas coloridas. Visto então o fardo de belas e encantadoras alegorias. Tudo isso porque me cativas. E assim no belo e singelo me faz ser tão eu. É agora que vem o depois. Depois seu e tão somente seu. Então nada disso é sobre propriedade e sim carinho.

Por isso não me importa se ela samba. Se bate no meu peito assim como no pandeiro. É a tal sensação do swing no sangue, do rubro na pele e do suor no rosto. Seus movimentos tão quistos e tão sádicos fazem de mim uma vítima. E é por isso que sou tão seu, sempre tão seu.

6 comentários:

Ana Lídia disse...

tão sós e tão seus...

Felipe Attie disse...

Encontrei teu blog na comunidade Jornalismo Literário, do Orkut. Gostei da visita!

Thais disse...

Tão bom ver vc escrevendo de novo! \o/

camila chaves disse...

que bonito!
senti falta dos teus textos.
que bom que estão de volta.
(=

marília disse...

uau! que sorte dessa pessoa que ganhou um texto tão assim: "uau"!
de volta, que bom ;)

T disse...

Bonito mesmo...