terça-feira, 4 de março de 2008

Divagações

Quem me dera se fossem negros os sóis do universo, assim como os olhos que um dia ousaram em fitar minha carne, nua, suja... da mesma forma descrita a vida de anjos e demônios pertencentes a histórias tristes, inacabadas e ingênuas.

Então surgem onomatopéias que insistem em transformar o sofrimento em alívio eterno. Ah! Acredito que nesses momentos de divagações hiperbólicas nos fazem sentir meio, conhecedores de nós mesmos.

Fielmente, acho que me transformei em alguma coisa.

2 comentários:

Paulinho Apolonio disse...

Cara, profundo seu texto.
Muito o jeito que você escreve, mas eu prefiro o sol dourado.rrsrssr

cantor de mambo disse...

véi, sofre não..