domingo, 28 de outubro de 2007

Solitude e devaneios

Eu sempre fui seu, mesmo sem saber a cor de seus olhos. O seu cheiro de primavera esteve em meus pensamentos, muito antes de imaginar que um dia poderia estar contigo.

E agora, sentado diante a minha solidão, como se estivesse em meu quintal estou com medo de te encontrar. Tremo só de pensar que ainda não me amo o bastante para te possuir. Choro pelo fato de ainda ser atingido pelos dias cinzentos e nublados.

Ah, como eu te quero. Se não fosse essa insegurança do ser-e-não-ser, de não me conhecer, imagino que já poderia estar com você.

Ah, pensando aqui sozinho, vejo-me na imensa tentativa de me tornar fácil. Um ser que consigo decifrar. Que permite se amar como se ama aquilo tão estimado.

E até agora nessa busca incansável e tortuosa, a única coisa que descobri, é que já te amo, antes mesmo de me conhecer.

3 comentários:

talita disse...

me identifiquei muito ;~

thais :) disse...

É como caminhar pela floresta.. quanto mais se adentrar, mais e mais coisas raras se encontrará =D

Buscar a profundidade no pós-modernismo nem é fácil, é praticamente nadar contra a corrente.. Mas vá aí.. Conhecer você te fará mais feliz - quem sab

thais :) disse...

P.S. e pode tratar de mostrar o resto do que vc começou no msn hj de tarde, rúm!

bjo