terça-feira, 20 de novembro de 2007

Quando senti Saudade

Um dia, olhando pela janela de meu quarto, lembrei que sentia falta de um sentimento tão instigador. Queria, na verdade, era ser pego de surpresa, naquele momento em que as notas de piano fossem tocadas metodicamente de forma aleatória. Então, o som fugiria aos meus ouvidos e me surpreenderia pelos olhos. As lágrimas, como não poderiam deixar de ser, insistiriam em cair copiosamente.

Ah, um dia! Meu coração palpitaria de forma acelerada e descompassada. Sem pressa, como numa enxurrada, bombearia para minha alma a razão do meu ser tão emocional. Capaz que viveria a pele rubra, a mão fria e o lábio trêmulo. Teria certeza que sentiria, se isso fosse tão meu. E quisera que também não fosse mais seu.

Esse dia... Provavelmente caberia um "oi bem meu"! E naqueles olhos esquecidos e sofridos, poderia ver a marca daquelas cores tão belas e vistosas. O cabelo estaria ondulado, o sorriso largo e os olhos fechados. E com um pouco de mel colocaria o céu, num pedaço de papel... começaria a misturar até ficar como aquele dia. O dia em que senti saudades...

6 comentários:

thais :) disse...

Eu sempre fico meio assim, sem saber o que dizer, qdo eu te leio assim, tão.. tão.. você. Não sei, as palavras escapam..

_______

A vida às vezes nos surpreende, tornando-se mais bela que o sonho mais perfeito.. eu acredito que o dia que você disser 'bem meu' será ainda mais lindo que qualquer sonho lindo..

APENAS não desista..

Marília disse...

minha vida sempre se encaixa nos seus textos.. ou vice-versa.

incrível..

talita disse...

não parece você...
você é tão incrivelmente "feliz"...

;)

monique caroline disse...

saudades de você!

bju

Did disse...

muito lindo, Renato. Faz pensar que a saudade se espalha pela gente e nos lembra que todos nós queremos misturar as emoções e voltar naquele determinado dia....

Anônimo disse...

intiresno muito, obrigado