terça-feira, 6 de novembro de 2007

Palavras bonitas, beijos e abraços

(escrito em 29/10/06)

O dia estava calmo. A cidade parecia mais tranquila que o normal. Os pássaros faziam sinfonia juntamente com o barulho do vento nas flores das árvores e jardins. A primavera transformara o cinza do inverno no colorido mais alegre do mundo. E naquele dia, suas carícias pintaram em meu coração mais do que as sete cores do arco-íris.

O primeiro contato foi o sorriso. Primeiro seus lindos olhos sorriram para mim, como se uma lagoa com águas brilhantes e límpidas mirassem a lua. E depois timidamente suas mãos correram entre meus braços tentando alcançar os meus ombros, depois meu pescoço. O desconhecido agora era mais íntimo do que qualquer coisa. Como era mágica essa tal de primavera...

A beleza do que realmente era belo embriagava meus sonhos. Assim como a mágica faz parte de tradições ilusionistas. Talvez imaginei as coisas de uma forma bem diferente de como elas aconteciam. Será que o toque era verdadeiro? O cheiro, a pele? No momento poderia ser uma ilusão, mas prefiro acreditar que eram de verdade. Mesmo assim não deixei de pensar, e de sonhar.

Eu adorava admira-la a dormir. Sua aparência verdadeiramente revelada era igual a das flores que embelezavam o jardim do meu coração. Vivemos e crescemos juntos, cada dia mais próximos. No amor o baile de nossas almas justificavam o espetáculo. O ato de se fundir num só corpo, mente e alma reescrevia o que já havíamos vivido e o que viveríamos. Aliás, não viveríamos mais...

Saudade, palavra exclusiva da língua portuguesa, define bem o que senti depois que tudo mudou. As pontinhas do seus dedos corriam pelos meus braços. As cócegas me faziam rir, me faziam bem. Um ar de nostalgia invade o ambiente quando penso nisso. O que resta agora é o sentimento, a imaginação! E eu ainda continuo com a mesma dúvida.. será que o que aconteceu foi de verdade? Acredito que a qualquer momento posso acordar, com o meu suor escorrendo pelos olhos... e pensando... "o que aconteceu?".

Sim, sinto falta das palavras bonitas, dos beijos e abraços. Do olhar silencioso, do sorriso largo. Do toque e das discussões... será que foi verdade?

3 comentários:

Anônimo disse...

Faltou só a música...

Mila :) disse...

Fala sério! não consegui 'assinar' o blog! complicado demaaaaais pra mim!
dpois me explica?

Bjo

Rainer Gonçalves Sousa disse...

Curti, manin !

;P

Escreves bem, seu prego...heheheh